Câmara de Sapé realiza sessão extraordinária para discutir suplementação depois da “sessão fantasma” realizada pela bancada do prefeito

Câmara de Sapé realiza sessão extraordinária para discutir suplementação depois da “sessão fantasma” realizada pela bancada do prefeito

Teresinha do Peixe chama vereadores de vendidos e chantagistas. Tota Leôncio é o único vereador que participou das duas sessões. Presidente diz que prefeito é “um homem sem palavra” 

Por Jorge Galdino – Jornalista  

A Câmara Municipal de Sapé realizou na noite de hoje (30), a 4ª Sessão Extraordinária do 2º período legislativo conforme convocação publicada e solicitação do Executivo para discutir e votar o Projeto de Suplementação Orçamentária de mais de R$ 27 milhões. A sessão aconteceu um dia depois de os vereadores da bancada do prefeito realizarem a chamada “sessão fantasma”, em que as vereadoras de oposição e o próprio presidente da Casa não foram convocados. O vereador Antônio João Adolfo Leôncio (DEM), conhecido como Tota Leôncio, foi o único parlamentar que participou das duas sessões, criando assim uma dubiedade, já que ele votou na sessão de ontem pela aprovação da suplementação, e hoje comparece a uma sessão extraordinária que tem o mesmo projeto na pauta. 

Por falta de quórum, a sessão não pode ser instalada, assim, resumiu-se aos discursos dos quatro vereadores que atenderam à convocação oficial e se fizeram presentes ao plenário: Tota Leôncio (irmão da vice-prefeita Lenilda Leôncio), Abraão Júnior Sales da Silva (presidente da Câmara) e as vereadoras de oposição Teresinha Danielle Virginio dos Anjos (Cidadania) e Maira Massa da Cunha (PP). 

A vereadora Teresinha Danielle foi enfática ao criticar os cinco vereadores que até pouco tempo se autodenominavam “independentes”, afirmando que eles se venderam e que chantagearam o prefeito com a criação de uma Comissão Paramentar de Inquérito (CPI), “Quero pedir ao povo que acompanhe as redes sociais e vejam os vereadores que se venderam, pois se venderam. São chantagistas sim! Inventaram de fazer uma CPI para que o prefeito chamasse eles. A CPI está aí… Parada!”, enfatizou a vereadora Teresinha. 

A vereadora Maira Cunha afirmou que não foi convocada para a sessão que foi noticiada como “sessão fantasma”, criticou a postura dos doze vereadores e enfatizou a falta de transparência do prefeito nos remanejamentos das suplementações orçamentárias. Tota Leôncio afirmou que foi “convidado” para a sessão com a bancada do prefeito e que foi “convocado” para a sessão extraordinária de hoje.  

O presidente Abraão Júnior (Podemos) disse que vai tomar as medidas cabíveis para anular a reunião ocorrida de forma ilegal e sem amparo do regimento interno da Casa, assim como a lei aprovada na citada reunião bem como sua sanção e publicação por parte do Executivo, e também fez críticas à postura do prefeito Sidnei Paiva (Podemos). “O prefeito é um homem sem palavra que não honra nem o que assina”, desabafou Abraão se referindo a um acordo assinado no Ministério Público do Estado da Paraíba (MPPB). 

O MPPB já tinha intermediado um acordo em setembro deste ano, quando o prefeito Sidnei Paiva pedia 40% de suplementação (mais de R$ 50 milhões) e, em audiência em que participaram as assessorias jurídicas e contábeis da Câmara e da Prefeitura, ficou comprovado que o Executivo necessitava de pouco mais de 6% para concluir o orçamento deste ano e um acordo foi firmado em 10%, agora, o Executivo quer mais 20% (R$ 27 milhões) sem qualquer especificação ou justificativa técnica. 

A sessão de hoje foi transmitida pela Câmara TV e contou com a participação de populares que se fizeram presentes nas galerias da Casa. Assista abaixo a transmissão oficial da sessão. 

Da Redação do Portal GPS.  

Redação GPS

Seu comentário é muito importante para nós.

Protegido por Direitos Autorais. Compartilhe o conteúdo usando os botões das redes sociais no final da matéria.